A importância da alimentação saudável na infância e na adolescência

11 de nov

O tema da alimentação balanceada tem ganhado cada vez mais espaço, e muitas pessoas já têm consciência do impacto que a dieta tem na saúde física e mental.

E na infância não é diferente, pois ela é essencial para o crescimento e desenvolvimento integrais.

Aliás, crianças que são incentivadas desde pequenas a ter escolhas mais saudáveis na alimentação diária apresentam mais facilidade em manter esse hábito por toda a vida, refletindo na saúde ao longo dos anos.

Qual a importância da alimentação saudável na infância e adolescência?

De acordo com o Ministério da Saúde, a alimentação saudável é indispensável para o crescimento e o desenvolvimento das crianças, sendo a base da vida humana.

Para crescer e desenvolver-se, a criança ou adolescente precisa ter acesso aos nutrientes importantes para o corpo, como minerais, vitaminas, proteínas e carboidratos.

Juntos, esses componentes participam do bom desenvolvimento físico (maturação óssea, capacidade respiratória e circulatória, desenvolvimento motor, bem como desenvolvimento e manutenção da imunidade, por exemplo) e cognitivo (concentração, memória, aprendizado).

Também é por meio da alimentação que o organismo obtém energia para as atividades da rotina, como brincar, estudar, conversar.

Há também um peso importante da alimentação no bem-estar emocional e afetivo. As refeições podem ser ótimas oportunidades de reforçar laços afetivos entre a família, desenvolver habilidades, estimular a interação e ensinar que cuidar do corpo deve ser uma combinação entre saúde física e mental.

Tudo isso é parte do bom desenvolvimento, refletindo imediata e futuramente na saúde e bem-estar.

Quais os problemas da má alimentação da infância e adolescência?

Além dos problemas relacionados com a falta de nutrientes (como anemia ou desnutrição), há outros problemas que podem ser favorecidos, como a obesidade, diabetes tipo 2, hipertensão ou colesterol alto — isso, porque é comum que, quem não tem uma dieta saudável, coma muitos produtos industrializado, ricos em gordura, açúcares e sódio.

E crianças que são apresentadas à rotina alimentar inadequada desde cedo, em geral, tendem a ter mais dificuldades com a reeducação alimentar na vida adulta. Ou seja, o hábito de comer coisas pouco saudáveis é mantido, podendo favorecer doenças e patologias.

O que é a alimentação saudável para crianças e adolescentes?

Uma alimentação saudável é aquela que supre, de forma adequada, as necessidades nutricionais diárias. De forma geral, ela deve ser composta por alimentos naturais e nutritivos — preferencialmente, sendo refeições preparadas em casa e livres de condimentos industrializados.

Isso não significa que crianças e adolescentes nunca podem comer doces ou beber um achocolatado. Mas isso deve ser feito com moderação, dentro de uma rotina alimentar que forneça todas as vitaminas e minerais necessários, bem como proteínas e carboidratos.

Até os 6 meses de idade, é importante que a alimentação seja à base do leite materno, sempre que possível, como apontam a OMS e o Ministério da Saúde.

Somente a partir dessa idade é que outros alimentos podem ser gradualmente inseridos na alimentação. E os pais e mães já devem pensar no aspecto nutricional e balanceado desde essa época.

A melhor maneira de garantir uma boa nutrição é apostar na variedade. Pratos coloridos e  com produtos naturais são uma escolha acertada para a nutrição balanceada. Além disso, a avaliação e orientação nutricional das crianças e adolescentes, feita com profissionais, é fundamental.

De forma geral, a Sociedade Brasileira de Pediatria orienta para uma alimentação baseada na pirâmide alimentar, desde que não haja nenhuma contraindicação específica:

1. Cereais, pães, tubérculos e raízes

O grupo é composto por alimentos como arroz, batata, macarrão, pão, aveia, farinhas em geral. São ótimas opções para fornecer energia, pois são fontes de carboidratos.

Para as crianças em idade pré-escolar e escolar, o ideal é que sejam consumidas 5 porções por dia. Já para adolescentes, o ideal é de 5 a 9 porções diárias.

2. Verduras e legumes

Algumas opções são brócolis, couve, repolho, abobrinha, espinafre, agrião. Além de ricos em vitaminas, são ótimas fontes de fibras, que ajudam no funcionamento do intestino.

Os alimentos podem ser preparados tanto crus quanto cozidos ou refogados, bem como incluídos em sucos ou caldos, de forma que o sabor fique menos acentuado.

Para as crianças em idade pré-escolar e escolar, o ideal é que sejam consumidas 3 porções por dia. Já para adolescentes, o ideal é de 4 a 5 porções diárias.

3. Frutas

As frutas são ótimas opções de lanches e sobremesas. Como muitas delas são adocicadas (como banana, mamão, maçã, melão), incluí-las na rotina alimentar das crianças é mais simples, sobretudo por meio de papinhas ou misturando-as em cereais.

A importância da alimentação saudável na infância e na adolescência

Para as crianças em idade pré-escolar e escolar, o ideal é que sejam consumidas 3 porções por dia. Já para adolescentes, o ideal é de 4 a 5 porções diárias.

4. Leites, queijos e iogurtes

Fonte de proteínas e cálcio, o leite e seus derivados (como queijos e iogurtes) devem estar presentes na alimentação diária. Vale dar preferência às versões magras e, no caso dos iogurtes, não adoçadas.

Para as crianças em idade pré-escolar e escolar e para adolescentes, o ideal é que sejam consumidas 3 porções por dia.

5. Carnes e ovos

Carnes e ovos são fontes de proteínas, essenciais para a constituição da massa magra, além de ferro e vitaminas do complexo B. O ideal é optar por preparos que usem pouco óleo, além de evitar temperos prontos.

Para as crianças em idade pré-escolar e escolar, o ideal é que sejam consumidas 2 porções por dia. Já para adolescentes, o ideal é de 1 a 2 porções diárias.

6. Feijões

Os feijões são fonte de nutrientes e proteínas, sendo parte da cultura alimentar brasileira: o famoso feijão com arroz.

Para as crianças em idade pré-escolar e escolar e para adolescentes, o ideal é que seja consumida 1 porção por dia.

7. Óleos e gorduras

As gorduras e óleos são importantes para o funcionamento do organismo, mas devem ser consumidos moderadamente. Algumas opções são azeite, manteiga, oleaginosas (castanhas, amêndoas) e óleo de soja.

Para as crianças em idade pré-escolar e escolar, o ideal é que seja consumida 1 porção por dia. Já para adolescentes, varia entre 1 e 2 porções diárias.

8. Açúcar e doces

Açúcar e doces devem ser consumidos com moderação também — aqui, entram inclusive os sucos industrializados e os achocolatados, mas também mel, melado, balas, bolos, entre outros.

O ideal é que crianças e adolescentes consumam apenas 1 porção por dia.

Como incentivar a boa alimentação em casa?

Mudar hábitos alimentares nem sempre é fácil, pois mesmo adultos geralmente têm dificuldades em priorizar alimentos saudáveis e naturais, evitando aqueles industrializados. Então, para facilitar a boa alimentação das crianças e adolescentes, proporcionando um crescimento e desenvolvimento integrais e saudáveis, algumas dicas podem ajudar:

Introduzir alimentos adequados desde cedo

Inserir frutas, vegetais e verduras folhosas é uma boa forma de as crianças conhecerem o sabor e desenvolverem o paladar. É essencial evitar os alimentos industrializados, mesmo aqueles que parecem mais inofensivos, como sucos de caixinha e achocolatados, por exemplo.

Investir em variedade

Muitas vezes, crianças mais velhas, ou mesmo adolescentes, têm resistência a provar ou diversificar as refeições, fazendo com que a dieta seja nutricionalmente pobre.

E o Ministério da Saúde aponta que a melhor maneira de driblar esse problema no futuro é, ainda no primeiro ano de vida, expor a criança às variedades alimentares, sempre dando prioridade às frutas, verduras e cereais integrais.

Conforme os pequenos crescem, manter o consumo desses grupos fica mais simples.

Dar o exemplo

Outra dica importante é lembrar que crianças seguem exemplos. Por isso, a alimentação balanceada deve ser parte da rotina familiar. Se todas as pessoas da casa consomem frutas e evitam refrigerantes, por exemplo, a tendência é que a criança repita esses comportamentos com mais facilidade.

Evidencie o prazer da boa alimentação

Muitas pessoas reforçam a ideia de que dieta é algo difícil, sem graça ou sofrido. Mas é importante que pais e mães tenham a consciência de que alimentação balanceada não é uma dieta, e sim um hábito de vida em prol da saúde e bem-estar.

Por isso, os próprios adultos devem apreciar a boa nutrição, de forma que as crianças vão aprender e repetir o comportamento.

___

Cuidar da alimentação é parte essencial da saúde física e mental. Pequenas mudanças no dia a dia fazem toda a diferença na disposição, aprendizado, desenvolvimento e bem-estar de crianças, adolescentes e adultos.