Estudantes da PUCPR integram projeto comunitário do Ministério da Defesa

29 de jan

Acadêmicos da Universidade participam de atividades no Projeto Rondon com a população do Oeste do Paraná

A Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) integra o Projeto Rondon, um programa do Ministério da Defesa que desenvolve ações nas áreas da cultura, saúde, educação, trabalho e meio ambiente. Até o dia 2 de fevereiro, 16 estudantes e 2 professores da PUCPR irão promover uma série de atividades com os moradores dos municípios de Anahy, com 2.800 habitantes, e Iracema do Oeste, que têm pouco mais de 2.900 moradores, ambos no oeste do Paraná.   

 As ações do Projeto Rondon no estado acontecem durante a Operação Yaguaru, que contempla 12 municípios e conta com as parcerias do Governo do Estado, da Associação dos Municípios do Oeste do Paraná, da 15ª Brigada de Infantaria Mecanizada, do 33º Batalhão de Infantaria Mecanizado e de Instituições de Ensino Superior privadas e públicas paranaenses.

Nove universidades privadas e públicas do Paraná participam do Projeto Rondon. Os estudantes e os professores foram divididos em grupos de ações. O conjunto A vai desenvolver atividades nas áreas de Saúde, Educação, Direitos Humanos e Justiça. O conjunto B desenvolve atividades nas áreas de Tecnologia, Produção e Trabalho, Comunicação e Meio Ambiente.

A estudante do curso de Medicina da PUCPR Luize Kremer Gamba faz parte da equipe da PUCPR. Ela conta que o envolvimento com a população traz um novo olhar e favorece a formação de profissionais inclusivos.     

Mudanças para a população

“Lembro que no meu primeiro ano de universidade, tive contato com uma professora rondonista e me arrepiava ao ouvir suas histórias. Desde então, participar do Projeto Rondon virou uma meta da minha vida acadêmica. Acredito que em todos os sentidos da vida, devemos ser pontes e nunca muros. O Rondon é um projeto que permite exatamente isso na prática, pois acredita que nós universitários somos capazes de levar o conhecimento dos nossos cursos para além do ambiente de ensino e, assim, atingir e gerar mudanças para a população”, afirma.

Para Juliana de Oliveira, do Núcleo de Projetos Comunitários da PUCPR, o papel das universidades é promover ações de extensão que contribuam para o desenvolvimento sustentável, o bem-estar social e a qualidade de vida nas comunidades vulneráveis, usando as habilidades universitárias. “As ações deverão ser direcionadas a um público capaz de reproduzi-las e multiplicá-las no seio da comunidade, tornando-as permanentes. Além da comunidade, os estudantes também serão fortalecidos na formação de cidadania”, explica.