Hospital Marcelino Champagnat, investe na alta tecnologia para cirurgias mais seguras

29 de abr

O Hospital Marcelino Champagnat, localizado em Curitiba (PR), investiu na plataforma robótica da Vinci X. A instituição faz parte do Grupo Marista e é referência em procedimentos cirúrgicos considerados de média a alta complexidade.

O moderno equipamento permite realizar ações muito específicas, tornando a cirurgia mais rápida e com menos riscos. Isso porque os robôs têm braços bastante finos e articulados, que conseguem acessar regiões delicadas e reduzir danos aos tecidos adjacentes. Além disso, conta com uma visão tridimensional 20 vezes maior do que a humana, facilitando todo o procedimento.

Para os pacientes, os benefícios envolvem menores complicações intra e pós-operatórias, menores riscos de sangramento, um pós-operatório mais rápido e livre de complicações, menos tempo de internação após o procedimento e menos dor nesse processo.

Já os cirurgiões conseguem realizar procedimentos mais específicos, contam com o suporte da alta tecnologia e reduzem o tempo e custos de cada operação.

As primeiras cirurgias já foram marcadas no Marcelino Champagnat, são de urologia e acontecem no começo de maio. E para que elas sejam de fato seguras e bem sucedidas, a instituição conta com profissionais altamente capacitados para trabalhar lado a lado dos robôs.

Pensando em ampliar esse grupo de especialistas, o hospital está investindo na capacitação médica – sobretudo por ser uma instituição amparada na pesquisa e ensino, ela visa ampliar esses conhecimentos que impactam diretamente nos tratamentos e recuperações de pacientes.

Robótica e cirurgia: o que os avanços prometem?

Apesar de já haver um avanço imenso em relação às cirurgias, elas exigem uma série de cuidados. Desde as menores até as mais complexas, todas merecem atenção tanto antes quanto depois de feitas, pois o procedimento em si a recuperação são determinantes para o bem-estar integral do paciente e para a melhora de sua condição de saúde.

Então, disponibilizar tratamentos cada vez mais eficientes e menos invasivos é o objetivo de todos os profissionais de saúde. Para isso, a ciência e a tecnologia são grandes aliadas da saúde, pesquisando e desenvolvendo equipamentos e recursos cada vez mais eficientes, precisos e econômicos.

Esse é o caso da robótica aplicada à cirurgia: o avanço tecnológico permitiu que procedimentos complexos, que exigiam o manuseio ou remoção de áreas delicadas ou muito pequenas, fossem realizados com uma precisão computacional, o que afeta diretamente o sucesso da operação.

Casos como as cirurgias da próstata ou de retirada de tumores renais são amplamente beneficiados com a plataforma da Vinci X, pois ambos são bastante delicados e, muitas vezes, envolvem impactos pós-cirúrgicos aos pacientes.

No caso da operação de próstata, há diversos estudos indicando que a robótica pode resultar em uma melhor recuperação, reduzindo os riscos de complicações, como a incontinência urinária e a disfunção erétil. Já na remoção de tumores renais, é possível preservar o órgão, dada a precisão da tecnologia – em alguns casos, nos procedimentos tradicionais, todo o rim precisa ser removido.

Esses são apenas alguns exemplos, pois o equipamento pode ser empregado em diversas cirurgias, sobretudo aquelas de alta complexidade.

Hospital Marcelino Champagnat oferece curso de robótica aplicada à cirurgia

Pensando nesse cenário promissor da tecnologia, e com o intuito de oferecer treinamentos de alto nível aos interessados, o Hospital Marcelino Champagnat investiu em formação também.

Com uma organização curricular distribuída em 3 módulos, oferecerá uma especialização em cirurgia robótica, ministrada por docentes e mestres dos hospitais Marcelino Champagnat, ABC, Albert Einstein e Sírio Libanês e titulados pela PUCPR.

Com início em 13 de maio, o primeiro módulo terá duração de 3 dias, introduzindo aspectos gerais sobre cirurgia robótica, bem como uma discussão focada na especialidade de urologia — para os interessados em outras áreas, haverá aulas específicas durante os próximos meses, contemplando Cirurgia Geral e Aparelho Digestivo, Cirurgia Torácica, Cirurgia Oncológica, Ginecologia.

No dia 15, os participantes do curso terão a oportunidade de acompanhar, por streaming, uma cirurgia ao vivo.

O módulo dois permite que os participantes já coloquem em prática os aprendizados — o que é feito com o auxílio de uma simulador em realidade virtual. Dessa forma, os profissionais podem treinar as habilidades e experimentar de maneira bastante fiel como é o procedimento.

Por fim, o terceiro módulo leva os participantes para a prática de fato. Com o acompanhamento de um profissional docente, eles vão realizar procedimentos em pacientes, além de continuar acompanhando outras cirurgias.

A capacitação tem como objetivo ampliar a quantidade de cirurgiões aptos para esse tipo de procedimento, que ainda é bastante recente e necessita de especialistas.