Internet segura: 5 dicas para toda a família usar a web com mais segurança

25 de maio

A pandemia de coronavírus trouxe uma nova realidade para muitas famílias: a partir de agora, a maior parte do contato social ocorre pela internet. Seja para assistir às aulas, conversar com os amigos ou familiares ou mesmo ter acesso a opções de entretenimento, tudo passa pela tela do smartphone ou do PC.

Porém, nem todos estão acostumados a realizar tantas atividades assim online. Além disso, nesse período, surgem muitas pessoas mal-intencionadas tentando aplicar golpes para se aproveitar da boa vontade de quem se deixa levar por promessas enganosas.

Para não colocar as suas informações pessoais ou até mesmo as da sua família em risco, é importante que todos tenham consciência de quais são as boas práticas no uso da internet. Em outras palavras, é necessário compreender quais cuidados você e seus filhos devem tomar para não serem expostos a conteúdo inadequado ou a tentativas de golpe.

Esse pode ser um ótimo momento para refletir e conversar sobre esse assunto, evitando que problemas futuros possam ocorrer por falta de orientação ou conhecimento. Neste artigo, listamos 5 dicas práticas para que sua família possa navegar com tranquilidade por tudo aquilo de bom que a internet oferece.

1. Evite a exposição de dados ou informações sobre a sua rotina

Quando compartilhamos alguma informação na internet, é preciso ter a consciência de que mesmo em ambientes mais restritos, como as redes sociais, esses dados acabam se tornando públicos. Assim, não revele online informações que você não revelaria para pessoas desconhecidas.

Evite fazer postagens indicando o seu endereço, telefone ou números de documentos. A regra vale tanto para as crianças quanto para os pais. Quando a família permite que estranhos identifiquem aspectos da rotina, torna-se mais fácil para pessoas mal-intencionadas tentarem aplicar golpes ou tentativas de extorsão, colocando em risco a sua segurança e o seu patrimônio.

2. Atenção à recomendação de faixa etária

As redes sociais exigem que para criar uma conta o usuário tenha uma idade mínima. Por exemplo, o Facebook e o Instagram, duas das principais plataformas utilizadas pelos brasileiros, não são recomendadas para menores de 13 anos. Por mais que os seus filhos queiram ter acesso a esse tipo de conteúdo, em teoria eles não deveria estar ali sem a sua supervisão.

Isso também se aplica a conteúdos exibidos em serviços de streaming, como filmes, séries, jogos e até mesmo músicas. A legislação obriga que os exibidores indiquem a qual faixa etária um conteúdo se destina, mas cabe aos pais decidirem se a criança pode ou não os assistir. Essa decisão final é sua, mas busque compreender os motivos pelos quais o conteúdo recebeu uma determinada classificação.

3. Cuidado com promoções falsas ou mensagens anônimas

Para obter dados dos usuários, pessoas mal-intencionadas fazem falsas promessas, como prêmios por compartilhamento de imagens ou descontos acima da média do mercado em produtos muito cobiçados. Essas duas situações têm como objetivo o roubo de dados ou acesso às suas informações pessoais.

A dica é desconfiar sempre. Promoções realizadas pela internet precisam ser aprovadas pela Secretaria de Acompanhamento Fiscal (Secap) e recebem um número de autorização. Caso essa informação não esteja em destaque, é muito provável que se trata de uma comunicação pouco confiável. Links oriundos de fontes desconhecidas também devem ser evitados.

4. Não use softwares piratas ou ilegais

Muitas pessoas recorrem ao download de conteúdo ilegal ou pirata como forma de evitar o pagamento de licenças de software. Essa economia aparente, entretanto, além de configurar uma contravenção, pode trazer muito mais prejuízos do que benefícios. Softwares não autorizados funcionam como uma espécie de porta aberta para que invasores possam acessar as suas informações.

Sempre que possível, evite baixar ou instalar em seu computador programas de origem desconhecida. Utilize um software antivírus em sua máquina e verifique os conteúdos recebidos mesmo de pessoas conhecidas. Muitas vezes, os remetentes não sabem que suas máquinas foram infectadas e que estão compartilhando vírus.

5. Cuidado com a exposição em áudio e vídeo

Se por um lado as videoconferências e a possibilidade de se comunicar em áudio e vídeo facilitam a nossa vida, por outra elas nos deixam muito mais expostos a desconhecidos. Não sabemos exatamente quem está do outro lado da tela e muitas vezes um conteúdo postado na internet é copiado por terceiros, reproduzido e permanece online para sempre.

Portanto, tenha atenção com as coisas que são ditas: ofensas proferidas no mundo virtual podem ser qualificadas como crime, como se estivéssemos no mundo real. Além disso, aparecer diante de uma câmera fazendo ações comprometedoras ou que vão de encontra à sua índole podem colocar você e seus familiares em situações constrangedores, seja de bullying ou tentativas de chantagem e extorsão.

…..

Mais do que ter cuidado no uso da internet, é importante que você e seus familiares tenham consciência dessas boas práticas. A internet é uma porta de entrada para um mundo de conhecimentos que, se bem utilizada, pode se tornar uma ferramenta incrível de conhecimento. Porém, compreenda que ela também tem suas regras e limites. Procure conhecê-los e respeitá-los.