Volta às aulas: 3 dicas para preparar as crianças

A volta às aulas presenciais pode ser um desafio para as crianças, mas com compreensão e amparo da família, o processo pode ser mais tranquilo

Quem tem filhos em idade escolar sabe que os pequenos ficam ansiosos pela época das férias. Brincar mais tempo, não ter tarefa de casa e até dormir até tarde são pequenas alterações concedidas às crianças nessa fase de descanso. Porém, na hora do retorno às aulas, entrar na rotina novamente nem sempre é simples.

Muitas crianças sofrem na fase de readaptação, outras são mais resistentes e ainda há as que lidam mais facilmente com a volta às aulas. Mas independentemente do caso, é importante que a família as prepare, fazendo uma transição mais tranquila e suave para iniciar um novo ciclo de aprendizados.

E se já era difícil lidar com esse processo de adaptação ao retorno considerando as férias de fim e meio de ano (que duram cerca de 2 meses e 15 dias, respectivamente), o quadro foi ainda mais agravado com a pandemia de Covid-19.

O contexto fez com que crianças passassem muito tempo longe das salas de aula – ainda que mantivessem o ritmo de estudos, eles foram adaptados para o ambiente de casa, feito de modo remoto. Isso durou vários meses e, aos poucos, os estados e municípios estabeleceram medidas para o retorno dos alunos.

E não importa qual o contexto, pais e mães têm um papel essencial e determinante no modo com que os pequenos vão lidar com esse retorno. O que nem sempre é simples para os adultos também, mas com dicas simples, todo o processo pode ser mais natural.

3 dicas para a volta às aulas: como preparar as crianças e planejar a rotina?

A melhor maneira de os pais e mães ajudarem as crianças a estarem prontas para voltarem às aulas é por meio do diálogo e do planejamento. Pequenas organizações e esclarecimentos já fazem toda a diferença no dia a dia dos pequenos, evitando futuras dificuldades quando a hora de colocar o uniforme finalmente chegar.

Converse e esclareça dúvidas

É fundamental falar com os pequenos sobre a rotina escolar. Muitas vezes, é exigido que eles se adaptem às mudanças, mas elas ocorrem sem muitas informações, de modo que eles mal entendem o que está acontecendo.

Um diálogo simples – e que pode ser até divertido – é uma forma de esclarecer e facilitar a adaptação. É necessário que a família não apenas mostre como as coisas são, mas crie de fato um diálogo, deixando a criança fazer perguntas.

Portanto, vale falar sobre como funciona uma escola, como vai ser a rotina, o que virá de novo após o retorno – mesmo que a criança já tenha ido para a aula e esteja apenas de férias, é quase como se fosse uma primeira vez, então toda afirmação positiva e informação sobre as aulas é essencial.

Dê atenção aos sentimentos e emoções

Ao conversar com as crianças, dê espaço para que elas falem e possam expressar seus sentimentos livremente. É comum que surjam sentimentos de insegurança no retorno às aulas presenciais, por isso a postura familiar é essencial – e, mais do que apenas perguntar, observar o comportamento e entender o que está sendo dito é importante.

Dessa forma, algumas perguntas podem ser feitas, como:

  • Como você se sente retornando às aulas presenciais?
  • O que você acha que te deixaria mais confortável e confiante?
  • O que é mais difícil na rotina das escolas e o que podemos fazer juntos para minimizar isso?

É possível que a criança expresse que sente insegurança ou dificuldade de acordar cedo após tanto tempo sem um horário tão rígido de sono. Em conjunto, é possível buscar formas de contornar esses problemas, como trabalhar a autoconfiança dos pequenos ou, ainda em férias, estabelecer gradualmente horários para acordar, o que vai tornar mais simples agendar o despertador cedinho.

Retome a rotina gradualmente

É claro que durante as férias não há necessidade de manter horários muito rígidos para tudo – por exemplo, acordar no mesmo horário das aulas. Mas algumas coisas podem e devem ser mantidas fixas, dentro do possível: hora de dormir e de comer são algumas delas.

Isso, acima de tudo, ajuda a manter o organismo da criança mais saudável física e psiquicamente, logo que descansar e comer adequadamente são essenciais para poder brincar e se desenvolver.

Mas, conforme o dia de iniciar as aulas presenciais se aproxima, vale também fazer alguns outros ajustes, como na hora de acordar – sobretudo para os alunos que estudam de manhã. Colocar todo dia o despertador 20 minutos mais cedo, lembrando de orientar a criança a ir deitar mais cedo também, faz com que o ciclo de sono vá sendo ajustado.

Fazer isso com as refeições e até hora de brincar também ajuda a entrar no ritmo das aulas.

Qual é o papel dos pais na rotina escolar dos filhos?

A vida escolar tem um papel central na rotina e na vida das crianças. Frequentando as aulas, os alunos aprendem sobre o mundo, sobre si mesmos e sobre as demais pessoas. Porém, nenhum desses conhecimentos se destaca das vivências que têm em casa – ou seja, a família está, o tempo todo, relacionada com as atividades escolares.

E, da mesma forma, a presença familiar é essencial na rotina escolar dos filhos, pois a organização do dia a dia, a motivação, as relações de afeto e sociabilidade, a autoestima e o modo de lidar com os estudos no futuro são muito impactados pelo retorno que as crianças recebem de seus pais.

Ou seja, a família tem um papel de acompanhar, motivar, dar apoio, auxiliar nas dificuldades e demonstrar interesse pelo desenvolvimento escolar dos filhos, sendo uma base de amparo e suporte.

____

Preparar os filhos para o retorno às aulas presenciais nem sempre é tarefa simples. Porém, medidas simples, como conversas francas e esclarecedoras, fazem toda a diferença na readaptação dos pequenos.

Compartilhar este post

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.