Março Lilás: Conscientização e combate ao câncer de colo de útero

Para alertar sobre cuidados, prevenção, diagnóstico e tratamento, a campanha Março Lilás reforça os alertas sobre o câncer de colo de útero e a saúde da mulher

Considerado o terceiro tipo de câncer mais frequente entre as mulheres, o câncer do colo uterino é também o quarto entre os que mais causam mortes de pacientes mulheres.

Mas a chave está em uma medida simples e altamente eficaz: a prevenção, tanto por meio de exames de rotina quanto pela vacina contra o HPV, vírus sexualmente transmissível e que pode provocar a doença.

E para disseminar mais ainda essas informações tão necessárias, a campanha Março Lilás enche de cor e transforma a saúde de pessoas de todas as idades por meio da prevenção, autocuidado, orientação sobre diagnóstico e tratamentos.

O que é Março Lilás?

Março Lilás é um mês dedicado à saúde da mulher, com especial atenção ao colo do útero, e ao câncer do colo uterino, causado, entre outros fatores, pelo HPV.

A campanha tem como objetivo levar mais informações sobre vias de infecção, formas de prevenção, cuidados nas relações sexuais, exames de rotina que podem identificar o quadro, como é confirmado o diagnóstico e como é feito o tratamento.

Além disso, há bastante destaque para a imunização contra o HPV. Desde 2014, o imunizante faz parte do calendário vacinal de meninas entre 9 e 14 anos e de meninos entre 11 e 14 anos.

E só há benefícios para a saúde deles, pois diversos estudos em diversos países mostram que a incidência da infecção por HPV reduziu consideravelmente após políticas de vacinação, sobretudo porque o imunizante é aplicado geralmente antes de haver contato com o vírus, o que faz o efeito ser muito melhor.

Por isso, Março Lilás também se dedica a lembrar sobre o direito ao cuidar de si e a importância que isso tem. Todas as meninas e mulheres podem e devem ter acesso à saúde, o que envolve esclarecimento, consultas médicas, vacinas e medicamentos disponíveis no SUS. Além disso, a campanha é uma ferramenta de educação, já que tudo isso envolve um complexo e rico processo de conhecimento e aprendizado.

O que é o HPV?

O papiloma vírus humano, é um vírus bastante contagioso e, apesar de não ser a única, o contato sexual é a principal via de transmissão. As taxas de infecção são tão elevadas que, aproximadamente, entre 50% e 70% das pessoas que têm vida sexual terão contato com o vírus em algum momento da vida.

Porém, a grande maioria dos casos se resolvem espontaneamente, sem que a pessoa desenvolva sintomas ou sinais. Já em uma parcela, ainda que pequena, o HPV pode desencadear lesões na pele e nas mucosas ou, ainda, infecções persistentes.

Neste último caso, o quadro envolve riscos de câncer de colo de útero, também chamado de câncer cervical – quadro mais comum entre as mulheres jovens e adolescentes. E há explicações biológicas para isso: durante a puberdade, o útero sofreu uma série de adaptações que o deixam mais suscetível às infecções. 

Outro aspecto importante é que o câncer de colo de útero é o terceiro tumor maligno mais comum entre as mulheres, ficando atrás apenas do câncer de mama e do câncer colorretal.

De acordo com o INCA (Instituto Nacional do Câncer), somente em 2020, foram estimados 16 mil novos casos do quadro – o que é um número bastante alarmante para uma condição prevenível.

Como prevenir o câncer de colo de útero?

A melhor forma de prevenir a infecção pelo HPV e suas consequências, como o câncer de colo de útero, é por meio da informação – e esse é o foco do Março Lilás. Por isso, a campanha espalha de forma acessível e clara os meios que a população de todas as idades pode se prevenir, como:

  • Todos devem usar preservativos nas relações sexuais;
  • Mulheres devem fazer exames preventivos (Papanicolau) conforme orientação e periodicidade médica;
  • Meninos e meninas na idade de vacinação devem receber o imunizante na rede pública ou privada;
  • Pessoas diagnosticadas com o vírus devem acompanhar com o médico e iniciar o tratamento caso necessário;
  • Mulheres com diagnóstico de lesão no colo do útero devem seguir o tratamento orientado pelo profissional.

A importância dos exames preventivos

O câncer de colo uterino é uma doença de evolução lenta e que, muitas vezes, não manifesta sintomas, fazendo com que a paciente somente descubra o problema em um estágio bastante avançado da doença – nesses casos, podem ocorrer sangramentos, dores e queixas relacionadas à região do abdômen.

É por isso que manter idas regulares aos especialistas, como ginecologistas, é essencial, pois somente por meio de exames e avaliações clínicas é possível investigar o estado do organismo e detectar alterações que podem prejudicar a saúde.

É por meio de exames como o Papanicolau que o HPV é diagnosticado, mesmo se não houver nenhum sintoma ou queixa da paciente. Com isso, um acompanhamento passa a ser feito e, caso necessário, o tratamento é realizado, evitando que a infecção evolua para um câncer do colo do útero.

____

Março Lilás é um mês cheio de cor para lembrar da importância de falar sobre o câncer do colo de útero. Ele é uma das condições malignas que mais acomete mulheres no Brasil e está em quarto lugar entre as causas de morte. Apesar disso, a infecção por HPV (o principal causador do câncer uterino) tem meios de prevenção, inclusive há vacinas disponíveis na rede pública de saúde.

Por isso, a campanha visa alertar e conscientizar sobre a necessidade de realizar exames periódicos e cuidar de si, pois a informação é a melhor via de prevenção.

Compartilhar esta Novidade

Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.